O canal FX fará uma sessão dupla de terror a partir do dia 20 de janeiro com a estreia da temporada Freak Show de American Horror Story, série vencedora de 4 Emmys, a partir das 22h30 e, logo em seguida, às 23h15, é a vez de The Strain, uma série de vampiros como você nunca viu.

A trama, baseada no livro homônimo do próprio Guillermo del Toro (responsável pela adaptação), conta a história do Dr. Ephraim Goodweather (Corey Stoll), chefe do Centro de Controle de Doenças de Nova Iorque, que em meio a uma crise familiar, é chamado às pressas para investigar um possível surto viral responsável por matar todos os passageiros de um voo proveniente de Berlin. Bem, quase todos.

Uma criatura secular, a bordo deseja retomar seu reinado de horror na Terra e vampiros muito peculiares começaram a batalha pela cidade de Nova York e pelo mundo todo.

Uma das boas características da série é a pegada de ficção científica e o tratamento dado ao vampirismo como uma doença, com direito a parasita, fase larval e diversos estágios, antes de tomar seu hospedeiro.

Os vampiros desta série são completamente diferentes de tudo que já vimos. Não são galãs como em Crepúsculo ou The Vampire Diaries, nem estilizados como em outras séries, mas são efetivamente verdadeiros zumbis tomados por uma doença degenerativa e que expelem o terrível verme contaminador que lhes provoca mutações agressivas em sua anatomia, a fim de permitir manterem dentro de si uma versão gigante do parasita (como se fosse uma metamorfose deste e que salta de suas bocas para sugar o sangue ou atacar as suas vítimas).

Depois de algum tempo, todos eles se tornam mortos-vivos de aparência repugnante que além de sugar o sangue de suas vitimas, transmitem o parasita, que leva os Estados Unidos a uma pandemia assustadora. Como o verme é capaz de sobreviver fora do corpo por algum tempo, os humanos podem ser infectados apenas pelo contato com o bichinho asqueroso.

À medida que a série avança, vamos conhecendo algumas nuances interessantes dos personagens. Um dos pontos altos são os flashbacks que contam a vida pregressa do professor Abraham Setrakian (David Bradley), que nos fazem entender porque ele é especialista nestes vampiros exóticos da série.

The Strain tem como ponto fraco, uma narrativa cuidadosamente explicativa e, cuja ação demora para acontecer, mas vale a pena. A partir do 7º episódio, a horda emerge e toma conta da cidade e a produção ganha um ritmo frenético e se torna um dos grande acertos do ano no gênero.

Confira nossa resenha sobre a série.

Veja o trailer da 1a temporada:

likeface

Deixe uma resposta