É verdade que o drama pós-apocalíptico da AMC sempre rendeu forte impacto em seus fãs. O que dizer da temporada sobre o governador que deixou todo mundo muito tenso, já que parecia não ter salvação? Mas o que a nova temporada prenuncia, baseado no primeiro episódio, não é brincadeira.

Terminus - The Walking Dead
Terminus – The Walking Dead

Para recapitular, no final da quarta temporada, nossos heróis estavam em grupos apartados, depois de toda a confusão que culminou com a queda do presídio que lhe servia de lar e a morte do terrível governador. Depois de alguns encontros e desencontros, continuaram seguindo placas em uma velha estrada de ferro que anunciava a localização de um santuário, um lugar de paz, protegido dos zumbis, com alimento e muito amor para todos – Terminus (ou o Terminal).

Obviamente, todo mundo já imaginava que isso não ia prestar, mas como eles são sobreviventes e, apesar de não serem brasileiros, não desistem nunca, todos se convenceram de que era o melhor lugar para buscar alentos nestes tempos tão difíceis.

Separado do grupo principal, Tyreese (Chad Coleman), Carol (Melissa McBride) e a pequena Judith (filha recém-nascida) de Rick Grimes (Andrew Lincoln), seguiam viagem por outro caminho, mas como também avistaram as placas, começaram a se dirigir ao mesmo terminal. Tudo isso, após uma fase lar doce lar, estragada por uma adolescente perturbada que insistia em ser amiguinha dos zumbis e a qual, com todo o drama de consciência possível, Carol meteu-lhe um bala na cabeça.

Vai um churrasquinho?
Vai um churrasquinho?

Por fim, a chega ao terminal revelou o que já era esperado. Não havia santuário hippie nenhum e na verdade, o que encontraram foi uma turma barra pesada, que (assim como os zumbis) se alimentava de carne humana.

O grupo inteiro foi subjugado e trancafiado em um vagão de trem. O final apoteótico mostrou um Rick possuído pelo ódio prometendo “Eles mexeram com a turma errada.”.

Se ainda não viu o episódio [e é daqueles que fingem não gostar de saber do que aconteceu],  a partir daqui, é por sua conta, ok?

Apesar da promessa, não parecia ser fácil se livrar dessa situação. Desarmados, encurralados e vendo o mundo a partir das frestas que o container possuía, bem ao estilo McGyver, eles começaram a se preparar para o confronto que era certo. Com lascas de metal, madeira e tudo que pudesse se tornar uma arma, se preparam para o enfrentamento, confiantes de que daria o seu melhor.

O que não esperavam é que a gangue de Terminus os surpreendessem por cima e não pela porta principal. Através de uma escotilha superior, eles lançaram uma espécie de gás, que permitiu confundir e surpreender o grupo de Rick.

O que veio a seguir foi pura angústia.

Glenn a um passo da morte

No corte seguinte, vemos Rick, Glenn (Steven Yeun), Bob (Lawrence Gilliard Jr), Daryl (Norman Reedus) e mais quatro homens com as mãos amarradas e ajoelhados em frente a um escorredouro de metal. No fundo, já tínhamos a visão de um corpo humano e muitos instrumentos cortantes. Sim, era o açougue, ou melhor o abatedouro do terminal e, sim, eles eram carne fresca.

Um a um os quatro homens desconhecidos foram atordoados com um golpe de taco de beisebol na nuca, tendo em seguida sua garganta cortada, em uma clara alusão ao que é, ainda nos dias de hoje, feitos em muitos matadouros de gado clandestinos.

É exatamente no momento em que chega  vez de Glenn [e o coração da milhões de fãs estava para sair pela boca], o rádio toca e o líder do grupo Terminus, causa uma distração, que dura alguns minutos, mas apenas o tempo de interrogar Rick para saber o que tinha na sacola que fora enterrada nos arredores do terminal para o caso de ser necessário uma luta armada. Rick dissimula, mas acaba dizendo que lá tem armas e que poderia levá-lo até lá, mas o rapaz se recusou.

O processo de matança iria ser retomado, até que ouvem forte estouro e sons de balas.  E, neste momento de confusão, Rick que sempre tem uma cara na manga (neste caso uma lâmina cortante de madeira) consegue matar os açougueiros e salva seu pessoal.

O que soubemos em seguida e que é absolutamente animal, é que Carol e Tyreese haviam surpreendido um dos caras do Terminal, quando se comunicava por rádio e falava sobre terem feito Carl e Michonne (Danai Gurira) reféns. Carol o prende e segue disposta a salvar o seu antigo grupo.

Carol e Tyreese

Carol, no melhor estilo da primeira temporada  se camufla com sangue dos errantes (Glenn já havia usado este recurso, logo nos primeiros episódios) para que possa passar despercebida pelos zumbis e acompanha uma horda que se dirigia no momento ao terminal. E consegue. É ela quem dispara contra um tanque de gás e consegue explodir, fazendo com que aquela distração foi causada no momento em que Glenn seria morto.

Não bastasse, invade o terminal, encontra as armas de Daryl e ganha mais motivação para salvar a todos. Sim, eu acho que ela é caidinha pelo arqueiro. Em uma espécie de capela, ela encontra uma das mulheres que serviram a carne humana, no primeiro encontro do grupo de Rick com o pessoal do terminal, que deixa revelar que aquele era sim um santuário, mas que foi tomado por um violento grupo que matou, violentou e introduziu o cardápio canibal. Esta mulher emprega a frase que parece conduzir as coisas por lá: “ou você é a presa ou o predador.”. Carol acaba por deixá-la para a morte, quando dúzias de zumbis invadem o local.

Rick salva o dia

A esta altura, Rick e sua turma já salvos, começam a explorar o local, matando zumbis e gente do bando do mal, tantos quanto pode, até que consegue salvar Carl, Michonne e todos que ficaram presos no vagão. Ainda há alguma troca de tiros com o líder do terminal, mas a situação caótica e o avance cada vez maior de zumbis atraídos pelo som dos tiros e da explosão, faz com que eles consigam se safar. Ainda que, já do lado de fora e contra todo o grupo, Rick ainda pensou em voltar e matar todos.

Nesta hora, o reencontro com Carol acontece em uma das cenas mais emotivas do episódio. Carol conduz Rick e o grupo para a cabana em que Tyresee havia guardado o refém (a esta hora já morto) e a pequena Judith. Então, Rick reencontra sua filha e aí sim, o momento de ápice dramático. Com a sua bebê nos braços e o filho Carl a salvo, Rick decide conduzir sua turma em direção oposta ao terminal. Não sem antes, passar por uma das placas de convite e riscar tudo, escrevendo “Não é um Santuário“, frase que deu nome ao episódio.

Desta maneira intensa, The Walking Dead retomou seu lugar definitivo entre as séries de domingo e, agora, poucas horas depois de ir ao ar, já domina todos os comentários dos sites e fóruns especializados em séries.

Sem dúvida foi uma season premiere de tirar o chapéu e realmente as ameaças de momentos de grande tensão se cumpriram. Resta ver o que ainda vem por aí, já que agora, os mortos voltaram a caminhar.