Produzida pela rede americana CBS e exibida no Brasil pela TNT e pela Globo, Under the Dome é a adaptação de um romance homônimo de Stephen King e tem o próprio criador entre os produtores executivos da adaptação. King, inclusive, escreveu o episódio de estreia.

Por ser exibida em uma emissora aberta nos Estados Unidos, sempre apresentou números expressivos, mas o sucesso de audiência dessa série veio acompanhado de uma enxurrada de ferozes críticas. Os fãs do livro simplesmente odeiam a adaptação.

O argumento da trama é verdadeiramente muito interessante para qualquer admirador de ficção científica e instigante para quem gosta de mistérios: sem maiores explicações, uma pequena cidade no interior americano é envolvida por uma redoma impenetrável, isolando toda uma população do mundo exterior. O isolamento e o medo do desconhecido causam grandes impactos na vida de todos e, como a série prenuncia a cada inicio de episódio, a redoma tem poder sobre os moradores ilhados e aflora o melhor e o pior de todos eles. A cúpula tem temperamento próprio e o clima dentro dela segue regras próprias, passando de um calor infernal a temperaturas abaixo de zero, de céu aberto a chuva torrencial. Se não bastasse isso, algumas pessoas dentro da redoma parecem ter uma conexão forte com ela e seriam a chave para desvendar seus mistérios.

Para quem nunca viu a série, dá água na boca, certo? Bem, é o típico caso de um enredo fantástico com uma realização medíocre.

O início dessa temporada trouxe um ritmo mais frenético para a trama. Mais efeitos especiais e mais ficção cientifica pareciam marcar este segundo ano da série. Apesar da boa intenção dos roteiristas e de terem em mãos interessantes oportunidades a desenvolver, a condução é extremamente superficial e deixa a desejar.

Aqui, alguns pontos que julgo não terem atingido as expectativas na série, após duas temporadas:

Maxine Seagrave - Natalie Zea

Trama instigante x Personagens rasos – É fato queUnder the Dome não tem personagens complexos, apenas estereótipos rasos do bom moço heroico, do vilão ambicioso, do namorado possessivo, da vidente, da mocinha rebelde. Mesmo com uma ação curiosa, os personagens parecem viver em constante looping e nada de realmente importante acontece. Grandes vilões apareceram na primeira temporada, como a chefe do tráfico Maxine (Natalie Zea), que prometia ter segredos cabeludos sobre os protagonistas, e simplesmente deram cabo dela sem grandes emoções. Ok, ok, a atriz entrou em Helix (série do syfy) no mesmo ano como outra bandidona poderosa mas, coitada, morreu também por lá em menos de três episódios. Pé frio, a moça, não?

Morte e aparição misteriosa – A série chocou os fãs ao dar cabo de uma das personagens centrais da trama logo no início da temporada. Ao mesmo passo, a aparição de uma misteriosa garota estimulou diversas teorias por parte dos espectadores. Importância para a história? Talvez. Sua presença agregou algo? Não.

Ambição sem sentido – o maior vilão da história, Big Jim, é um vereador, cuja única razão de existir é ser líder de uma cidade minúscula. Mesmo com o apocalipse instalado com a cidade isolada ele ainda é capaz de matar meio mundo só para provar que é o líder da meia dúzia de gatos pingados que moram lá. Pra quê? Ser o rei da cúpula
certamente não paga bem.

A redoma que envolve a cidade

Os misteriosos poderes da redoma – A ilha de Lost é playground perto dos misteriosos poderes da cúpula, que faz nevar, chover, tempestade de areia, falta de ar, tempestade elétrica, poder magnético, muda de cor, encolhe e expande, faz aparecer uma superpopulação de borboletas, não se abala nem com a explosão de uma ogiva nuclear, mata só quem deseja. Enfim, ela pode tudo. Não há limites para a sua onipotência, seja nas coisas mais extravagantes ou nas insignificantes.

Mike Vogel - Dale "Barbie“ Barbara

Suando frio – Em uma das viradas de tempo, um frio intenso toma conta da cidade. Parece O dia Depois de Amanhã. Está tão frio que o teto solar de uma ambulância congela e estoura. Alguém comenta que está fazendo -16o C e a temperatura segue caindo. Mesmo assim, o nosso herói, Barbie (Mike Vogel), aparece suando em uma cena em que está usando inúmeros cobertores para supostamente se aquecer e à sua amada. Vai entender.

 

O momento das estrelas

As estrelas cor-de-rosa estão caindo – Esta frase tosca que significa literalmente o que diz, foi repetida pela feiosa Norrie (Mackenzie Lintz) e seu inseparável Joe (Colin Ford), que convulsionavam sempre que se tocavam. Hoje, todo mundo se esqueceu desse detalhe e os dois andam de mãos dadas por aí. Ah, e essas estrelas era apenas um efeito psicodélico que acontecia com o ovo negro, suposta fonte de energia da cúpula.

Adeus aparelho auricular

A redoma é seletiva – Na primeira temporada, ficamos sabendo que a cúpula não reage bem a aparelhos eletrônicos que se aproximam. Um marca passo explodiu no peito de um policial, assim como um aparelho auricular fritou os ouvidos de outro personagem. Este é outro ponto que os roteiristas ignoram atualmente. Joe leva seu tablet para mostrar imagens para quem está fora da cúpula. E os curiosos do lado de fora, se comunicam através de palavras digitadas em um laptop. Vai ver a redoma é a última invenção do Steve Jobs e é totalmente compatível com Apple.

Muita ação em pouco tempo – Acabamos o segundo ano da série agora, muita gente já morreu, personagens trocaram de função, outros surgiram sem muita explicação mas, pasmem, só se passaram poucas semanas.

Amor de cúpula é para sempre – Barbie (Mike Vogel) e Julia (Rachelle Lefevre) se conheceram há poucas semanas. Ele, um forasteiro misterioso e ela, uma jornalista, que estaria preocupada com o sumiço do marido. No primeiro dia, ela já o convidou para morar com ela. Poucos dias depois já chegaram aos finalmente. Nem mesmo a descoberta de que o misterioso ex-militar matou e enterrou seu marido foi capaz de separar os pombinhos!

Bom, apesar disso, a cena final desta temporada promete (ao menos em teoria) desvendar certos mistérios e tentar dar algum sentido a esta confusão toda. Esperemos que algo se salve em 2015 na, já confirmada, terceira temporada da série.

likeface