A Netflix anunciou recentemente a aquisição de todos os episódios de todas as temporadas da clássica série de comédia Friends e isso rapidamente repercutiu entre os fãs em sites e fóruns especializados.

As inesquecíveis aventuras, confidências, trapalhadas e amores daquele grupo de jovens que dividiam um apartamento em Nova Iorque se integraram quase que de forma real em nossas próprias memórias. São a marca de toda uma geração.

Sim, um produto que tem 20 anos é capaz de causar tamanho rebuliço.

Recentemente, o canal pago VIVA, das organizações Globo anunciou a decisão de reprisar a novela Pecado Capital. Quando o público descobriu que a tal reprise se tratava do remake dos anos 90, de autoria de Glória Perez, os protestos foram tantos, que o canal teve que voltar atrás da sua decisão. Nada contra Gloria Perez, mas o público ansiava mesmo era em poder rever o original de 1975 (gravada há 39 anos), da saudosa e genial novelista Janete Clair.

Em um destes domingos de outubro, o SBT repetiu pela enésima vez o clássico episódio da série Chaves, no qual a turminha do cortiço mais famoso do mundo saía da vila para curtir um fim de semana na balneária Acapulco, litoral do México. Episódio este considerado o mais amado pelos fãs e que foi gravado em 1977 (portanto, há 37 anos).

Recentemente em outro artigo comentamos a tendência mundial de investir em remakes de grandes sucessos do passado, daí portanto a volta de séries como A Feiticeira e Perdidos no Espaço, exibidas nos anos 60. Os mais céticos não acreditam que estas séries precisam ser refeitas, tamanha a qualidade e o carinho pelos seus episódios originais, mas isto não deixa de dar a oportunidade às novas gerações que simplesmente não conhecem as produções.

Mas ainda podemos ir mais longe: O seriado I Love Lucy de 1951 é hoje o programa de TV mais reprisado do mundo. Nos quatro continentes ainda existem emissoras que seguem apresentando seus episódios. Estima-se que, só nos Estados Unidos a série chega a ser vista anualmente por mais de 40 milhões de pessoas.

E quem nunca repetiu afirmações como estas?

“Que saudade daqueles desenhos animados do meu tempo.”. “Não se fazem mais quadrinhos como antigamente.”. “A Sessão da Tarde não é mais a mesma.”. “Por que a novela da tarde é sempre tão recente?”.” Ah, eu preferia a primeira versão.”

Quem nunca perdeu a noção da hora revendo vídeos antigos no Youtube?

E não é apenas porque estamos ficando mais velhos, mas o fato é que tudo isto reflete um período de grande saudosismo que vivemos, no qual as pessoas apreciam reviver emoções provocadas pelo resgate de memórias queridas. Este envolvimento sensorial é provocado por um aroma, por uma música e, principalmente por imagens. Estaríamos na época de “Ah, que saudade daquele tempo!“?

Neste contexto, o Netflix, serviço de streaming mais popular do mundo, é um ótimo exemplo de fonte de resgate do velho baú do passado. Já que enquanto esperamos longos períodos para poder ver os lançamentos, acabamos encontrando uma infinidade de clássicos perdidos no catálogo. Lá você pode ver desde Bonequinha de Luxo (1961), Laranja Mecanica (1971) e, também, os clássicos episódios de Chaves e Chapolim.

E viva ao passado cada vez mais presente em nossa vida!